publicado a: 2017-03-14

Agroalimentar tenta anular défice de 2700 milhões

As exportações de produtos agroalimentares têm estado a crescer. No ano passado aumentaram 6%. No entanto, só representam 70% do valor das importações. Mas os industriais e agricultores portugueses têm muitas histórias de sucesso nestes anos de crise para a economia nacional.

A agricultura, que foi «durante muito tempo o parente pobre da nossa economia», tem feito nos últimos anos um percurso que faz com que seja «hoje um setor que exporta mais do que o resto da economia».
A palavras são de Capoulas Santos, ministro da Agricultura, que conta a história do setor agroalimentar como quem faz recordar a fábula do patinho feio que acabou por virar um cisne. A verdade é que, de acordo com o responsável pela pasta da Agricultura, «no último ano, o complexo agroalimentar superou mesmo aquele que é o setor emblema em termos de crescimento: o turismo». Isto porque falamos de um setor que tem visto o volume das exportações crescer a um bom ritmo.

Os resultados têm trazido otimismo e os objetivos são hoje mais ambiciosos: «Em cinco anos, esperamos conseguir equilibrar a balança comercial agrícola em valor». A ideia é que, até 2021, se consiga anular o défice agroalimentar de 2700 milhões de euros.

«Neste momento, em valor, as nossas exportações correspondem a 70% do valor das nossas importações. É um valor que tem vindo a diminuir e o nosso objetivo é que, no prazo de cinco anos, esse valor fique zero», recorda o responsável, sublinhando a trajetória ascendente que este setor tem estado a fazer em termos de resultados: «As nossas exportações agroalimentares, tendo em conta só os produtos agrícolas e transformados, no último ano, cresceram mais 6%».

A importância do crescimento no agroalimentar tem vindo a ganhar destaque nos discursos do Executivo de António Costa. De acordo com Manuel Caldeira Cabral, as exportações, em geral, terão «um papel muito importante no reforço do crescimento em 2017» e a verdade é que o ano parece ter arrancado «com uma curva ascendente, com um reforço, com uma aceleração».

E também no discurso de Caldeira Cabral os setores tradicionais voltaram a estar em destaque nas exportações– como a indústria agro-alimentar, têxteis e calçado –, embora também tenham surgido novos setores, nomeadamente, as indústrias química e farmacêutica.

Novos mercados

Para Capoulas Santos, a internacionalização é uma das vertentes prioritárias da política do Governo, sendo mesmo apresentado como um dos eixos mais importantes do reforço da competitividade do setor agroalimentar e da própria economia portuguesa.

E é com base nesta necessidade que está a ser estudada a abertura de 55 mercados para viabilização da exportação de 199 produtos [142 da área animal e 57 da área vegetal].
No meio da lista de países com processos em curso estão África do Sul, Argélia, Austrália, Cabo Verde, Canadá, Emirados Árabes Unidos, EUA e Indonésia, entre outros.

E a verdade é que há cada vez mais interessados no que é nacional. As feiras de promoção aos produtos agroalimentares multiplicam-se e têm ajudado a exemplificar o caminho que o setor tem feito. Uma destas feiras, o SISAB - Salão Internacional do Sector Alimentar e Bebidas, conseguiu reunir este ano mais de 500 empresas do setor, representando 12% das exportações nacionais.

De acordo com o presidente-executivo da SISAB Carlos Morais, «a ideia deste projeto sempre foi valorizar o setor primário, valorizando tudo o que é português». E, no entender de Carlos Morais, os resultados têm vindo a melhorar de ano para ano, com muitas empresas a conseguirem fechar novos negócios. Quando questionado sobre as nacionalidades que mais procuram o que é nacional, garante que falamos de uma grande variedade: «EUA, Canadá, Brasil, China, França, Suí ça, Alemanha, entre outros».

Vinho e azeite são estrelas

Há muito que o vinho português conseguiu encontrar um lugar de destaque em diversos mercados internacionais. Portugal tem conseguido manter o estatuto de um dos maiores exportadores de vinho a nível mundial: em 2015, por exemplo, conquistou o nono lugar.

E mesmo em alguns anos em que exportou menos, exportou mais caro. No ano passado, os dados davam conta de que, pelo sexto ano consecutivo, as exportações portuguesas de vinho cresceram em valor. E em 2015 novo máximo histórico foi atingido com 737,3 milhões de euros vendidos aos mercados internacionais.

Um dos exemplos de sucesso é a Casa Ermelinda Freitas que não esconde que o negócio corre de feição: «Tem vindo a melhorar e exportamos mais. Temos investido muito, mas também temos conseguido ter muito peso no mercado interno e também nos mercados internacionais».

Presentes em mais de 60 países, admitem não ter mercados preferências: «Está tudo muito distribuído, mas acaba por não ser mau. Não sofremos quando a situação de Angola piorou, por exemplo».

Também a qualidade do azeite português continua a ser muito apreciada internacionalmente. Um interesse que ajuda no peso das exportações do produto, mas não só. A produção de azeite tem estado a atrair cada vez mais investidores estrangeiros.

Fonte: Jornal i

Comentários

  • Faça login para poder comentar.